domingo, 30 de setembro de 2012

Postagem da Viagem

A energia das marés é obtida de modo parecido ao da energia hidrelétrica. Constrói-se uma barragem, formando-se um reservatório junto ao mar. Quando a maré é alta, a água enche o reservatório, passando pela turbina e produzindo energia elétrica, e na maré baixa o reservatório é esvaziado e água que sai do reservatório, passa novamente pela turbina, em sentido oposto, produzindo energia elétrica. Este tipo de fonte é também usado no Japão e Inglaterra.

Estação de energia das marés


Energia das ondas

Se fosse possível equipar os litorais do planeta com conversores energéticos, as centrais elétricas existentes poderiam ser desativadas. Basta pensar que uma onda de 3 metros de altura contém pelo menos 25 kW de energia por metro de frente. O difícil, talvez impossível, é transformar eficientemente toda essa energia em eletricidade — os dispositivos desenhados até hoje são em geral de baixo rendimento. E não é por falta de idéias — desde 1890, somente na Inglaterra foram concedidas mais de 350 patentes a dispositivos para aquela finalidade.

A maioria usa o mesmo princípio: a onda pressiona um corpo oco, comprimindo o ar ou um líquido que move uma turbina ligada a um gerador. Com esse processo, a central experimental de Kaimei, uma balsa de 80 por 12 metros, equipada com turbinas verticais, funciona desde 1979 em frente da costa japonesa, produzindo 2 MW de potência. Na Noruega, cujo litoral é constantemente fustigado por poderosas ondas, foi construída em 1985 uma minicentral numa ilha perto da cidade de Bergen, na costa Oeste. Ao contrário do sistema japonês, o equipamento não flutua no mar, mas está encravado numa escarpa. Produz 0,5 MW, o suficiente para abastecer uma vila de cinqüenta casas.Abaixo podemos ver três formas de conversores.

Em nossa viagem a Porto Seguro tivemos a oportunidade de irmos a praia e vermos algumas ondas que também produzem energia, contudo essa energia não é considerável para transformar-se em energia elétrica, já que a força que a onda produz não é suficiente para isso.
Aqui está uma imagem :

















Por: Brena Êmilla, Letícia Oliveira e Marina Assis

Fontes: http://www.brasilescola.com/geografia/energia-das-mares.htm
http://www.gforum.tv/board/876/35166/energia-das-mares.html

sábado, 29 de setembro de 2012

Falando sobre potencia

Agora que minha colega já explicou como se calcula potencia vou colocar um exercício para vocês tentarem resolver ,e em seguida vou falar sobre os casos especiais e o rendimento.

-Exemplo de Aplicação

1- um jovem preocupado em economizar energia elétrica, que determinar qual é o consumo  relativo a utilização no mês ,na maquina de lavar roupa. Percebeu que o ciclo que lavagem dura 30 min. e que é utilizada 12 dias por mês  Sabendo que a potencia da maquina é de 450W, qual foi o consumo encontrado em KW/h?

Dados :                                                                        Resolução:

Tempo : 30minutos                                                        ∆t =30/60.12:6h
Tempo :12 dias(mês :  30 dias)                                      P;∆E/∆T; ∆E: P. ∆t:450.6=2700
P 450W                                                                        ∆E:2,7.10³: 2,7KW/h

-Caso Particular

Até agora só vimos casos de potencia relacionada a aparelhos,mas existe no entanto, situações especiais em que o uso dela nos remete a resultados particulares, como veremos a seguir:

                                        

Nesse caso leva-se em consideração a força F exercida em certo deslocamento ∆S essa força por sua vez realiza um certo trabalho, ocasionando uma variação na energia cinética do corpo.Assim podemos observa que temos uma potencia envolvida no processo que é calculada da seguinte forma:

                                 Pm: ∆E/∆T:   τ/∆TA:      F . ∆S .cosα / ∆T

Como vimos que  ∆s/ ∆t é igual a velocidade temos:

                                    Pm = F. V. cosα

-Rendimento

A grandeza potencia é subdividida em três partes,a potencia útil que é aquela utilizada ,a potencia dissipada ,a que é perdida  ,e por fim a potencia total que é a soma das duas potencias anteriores,a expressão matemática é a seguinte:

                                                 Pt = Pu + Pd

O rendimento é  a forma de representa o rendimento de uma maquina, ou  seja ,representa o percentual da energia total que esta sendo transformada em energia útil.Matematicamente o rendimento e expresso da seguinte forma:

                                                    η =Pu/Pt
 

                                                                         Por:Mariana Kalil

Fontes:
Portal Positivo
http://www.sofisica.com.br/conteudos/Mecanica/Dinamica/energia.php
http://www.brasilescola.com/fisica/potencia.htm

Para descontrair: Conservação de Energia e Potência 




Marinna Assis


sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Resistor Elétrico

É muito bom poder tomar um banho quente, secar os cabelos com o secador ou até mesmo usar o nosso computador , não é? 

Mas o que tem nesses aparelhos que funcionam quando ligados à rede elétrica ?

                                      UM RESISTOR ELÉTRICO
                    
                      

O resistor elétrico é um dispositivo que está presente no cotidiano das pessoas
de diversas formas. Ainda que não seja fácil de se perceber , seus efeitos ou, na pior
das hipóteses, a falta deles é bastante notada.

Um modo de perceber a ação desse dispositivo é através do motor da geladeira. Já reparou como é quente atrás dela? Algumas pessoas têm o péssimo hábito de colocar pano de prato, ou até roupas, para secar próximo ao motor da geladeira, o que ocasiona um esforço do motor e acaba fazendo com que mais energia seja consumida.

É possível notá-lo também através do aquecimento de alguns aparelhos em funcionamento, por exemplo: a TV, o DVD, o computador, os carregadores de pilhas e os celulares, enfim, aparelhos elétricos ou eletrônicos em geral.

A sua finalidade é transformar energia elétrica em energia térmica, devido à interação com os átomos e moléculas que constituem o condutor ,sob efeito joule. É o caso do filamento detungstênio (elemento químico com alto fonto de fusão, aproximadamente 4500º C) das lâmpadas elétricas. É verificado na prática que a intensidade de corrente elétrica que atravessa um condutor depende da tensão (diferença de potencial - ddp ) a que ficam submetidos os seus terminais. Essa é a Lei de Ohm ( U = R I ), onde U representa a tensão nos terminais do condutor, R representa a resistência do resistor à passagem de corrente, a qual depende das características do material, como resistividade ( a qual por sua vez depende da temperatura), comprimento e área da seção transversal e I representa a corrente elétrica que atravessa o condutor. Essa corrente pode ser medida através de um instrumento (osciloscópio figura abaixo), através da amplitude da onda.

Por : Letícia Oliveira


Como calcular o consumo de energia elétrica?

Com essa postagem vamos aprender a calcular o consumo de energia elétrica dos eletrodomésticos. Isso além de interessante pode ser útil caso você queira verificar a sua conta de energia.
Para calcular é muito fácil, e vamos usar como exemplo o chuveiro elétrico - que transforma a energia elétrica em energia térmica -, porque a maior parte das pessoas possuem pelo menos um em casa, sendo que muitas o consideram o vilão da conta de energia.
Para calcular, primeiro devemos saber sua potência, vamos definir potência como a quantidade de energia transformada em um intervalo de tempo, podendo variar de acordo com a marca e o modelo. Vamos usar como exemplo a potência 3.600 W, todo equipamento elétrico possui uma potência apresentada em Watts cujo símbolo é W, e esta informação normalmente vem no produto ou na embalagem.

Para saber o consumo por banho multiplique a potência do chuveiro pelo tempo que gasta em cada banho. Para calcular o consumo por dia some o tempo de cada banho e multiplique o resultado pela potência do eletrodoméstico. Por mês basta multiplicar a potência diária pela quantidade de dias do mês, não esqueça de multiplicar pelo tempo de funcionamento em horas.
Ex: um chuveiro funciona 2 horas por dia logo seu consumo é 3.600 W x 2 horas = 7.200 Wh/dia. Temos que fazer uma pequena transformação de Wh (Watts hora) em kW (quilo Watts hora), para isso basta dividir o valor encontrado por 1000.  Agora, para calcular o consumo de energia elétrica por mês é só multiplicar por 30. Para saber quanto custa o funcionamento de cada aparelho elétrico multiplique o valor encontrado pelo valor da tarifa em seu Estado, esse valor pode ser visto no site da sua concessionária de energia elétrica.
Como disse anteriormente, o calcule é fácil e pode ser feito com qualquer eletrodoméstico, boa sorte nos seus cálculos!

Marina Assis
Fontes: http://educacao.uol.com.br/fisica/potencia-eletrica-calculo-do-consumo-de-energia-eletrica.jhtm                                                           http://www.eficienciamaxima.com.br/como-calcular-o-consumo-de-energia-eletrica/ 

Porque o bóson de Higgs dá sentido ao universo?

Há anos, pesquisadores trabalhando no Grande Colisor de Hádrons (LHC, na sigla em inglês), o maior acelerador de partículas que existe, procuram o bóson, partícula que foi proposta pela primeira vez por Peter Higgs em 1964, 48 anos atrás.

Agora, duas equipes separadas do LHC- ATLAS E CMS chegaram a resultados parecidos que estão em conformidade com as previsões teóricas sobre as partículas subatômicas do Modelo Padrão da Física, com a inclusão do bóson de Higgs. Isso indica que a partícula de fato existe.

O bóson teria massa de 125.3 GeV, e os resultados têm o nível de certeza de 4,9 sigma (o ideal é 5 sigma, nível necessário para reivindicar uma descoberta, pois significa que há menos de uma chance em um milhão dos dados serem um acaso estatístico).

“Foi anunciada a descoberta de um bóson que pode ser o bóson previsto por Higgs há quase 50 anos. A beleza da descoberta vem não apenas da notável previsão teórica, baseada em alguns conceitos bastante simples de simetria, mas do avanço tecnológico que foi preciso fazer para comprovar a sua existência”, comenta a Prof. Dr. Carola Dobrigkeit Chinellato, do Grupo de Física Teórica (GFT), da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Tal êxito só foi possível com um enorme esforço e trabalho conjunto de milhares de pesquisadores, físicos, engenheiros e técnicos. “Acho que é mesmo um momento histórico”, diz.
Apesar de muita gente achar que o bóson de Higgs é um caso certo, ainda é preciso ter cautela. Os cientistas estão tratando a descoberta como “muito provável”, e pediram tempo para analisar as informações.

“Esta cautela é inteiramente justificável. Embora seja relativamente robusto, níveis de certeza maiores do que 4,9 já vieram a ser modificados pelos próprios dados experimentais. É preciso cuidado”, explica o Prof. Dr. Marcelo M. Guzzo, do Instituto de Física Gleb Wataghin, também da UNICAMP.

Por: Brena Êmilla

Fonte: http://leofisico.wordpress.com/2012/07/06/porque-o-boson-de-higgs-da-sentido-ao-universo/

Descoberta origem da explosão estelar que pode brilhar mais do que uma galáxia inteira




Astrônomos descobriram recentemente a solução para um antigo problema fundamental da astrofísica: o que produz supernovas tipo Ia – explosões enormes em que a luz é muitas vezes mais brilhante do que uma galáxia inteira. O professor Bradley Schaefer e o estudante universitário Ashley Pagnotta provaram que essas supernovas são causadas pela aproximação e colisão de um par de estrelas anãs brancas.

“Supernovas tipo Ia são causadas por estrelas anãs brancas que atingem a massa máxima, quando seu carbono e oxigênio causam uma explosão descontrolada semelhante a uma bomba de hidrogênio”, disse Schaefer. “Determinar a origem dessas supernovas tem sido um problema no campo da astronomia.”

A solução da questão se deu depois de mais de 40 anos de estudo sobre o assunto, pois não se chegava a um acordo sobre a origem das supernovas. Os possíveis tipo de sistemas precursores (chamados de progenitores), seriam ou um par de anãs brancas em uma órbita em espiral que se atrairiam devido à atração gravitacional (o que foi considerado verdadeiro, no estudo) ou outro tipo de binário, em que a estrela companheira de uma anã branca atribuiria mais massa para a estrela, até que ela atingisse a massa crítica e explodisse. Por décadas, o debate tem sido travado sem provas decisivas, e, até pouco tempo, havia uma opinião dividida entre os astrônomos.

“Muitas explicações possíveis já foram sugeridas, mas uma delas requer uma estrela companheira perto da anã branca para a explosão”, disse Schaefer. O pesquisador explica que a maneira de distinguir os modelos progenitores da supernova usada foi olhar profundamente no centro de uma remanescente antiga de supernova para encontrar (ou não) a antiga estrela companheira da anã branca.

O problema sem solução do progenitor da supernova tem aumentado consideravelmente de importância na última década, tendo sido colocado entre as nove maiores perguntas enfrentadas atualmente na astronomia.
Schaefer e Pagnotta usaram imagens do Telescópio Espacial Hubble de uma supernova chamada SNR 0.509-67.5 para ilustrar a possibilidade ou não de qualquer estrela companheira sobreviver a uma explosão de anã branca.

Qualquer resultado como esse naturalmente requer um processamento extenso de análise de informações, bem como cálculos detalhados das teorias antes que possa ser considerado finalizado.

Os pesquisadores analisaram a região central de SNR 0.509-67.5, que tem um limite muito profundo (magnitude visual de 26,9). A menor possível ex-estrela companheira para todos os modelos é 50 vezes mais brilhante do que o limite observado, o que rejeita todas essas explicações que exigem uma estrela companheira. Mas a teoria do par de estrelas anãs brancas ainda estava de pé.

O modelo progenitor que indica que as supernovas tipo Ia necessitam de uma estrela companheira para a explosão se mostrou impossível. Assim, os pesquisadores chegaram a conclusão de que a única forma de formação de supernovas possível é a de uma dupla de anãs brancas que se colidem.

Por: Brena Êmilla

Fonte: http://www.aprendemos.com.br/descoberta-origem-da-explosao-estelar-que-pode-brilhar-mais-do-que-uma-galaxia-inteira/

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Sistema conservativo


Como já vimos os sistemas dissipativos, devido o trabalho resistente das forças contraria ao movimento, faz com que perca energia mecânica, agora se eu perguntasse o que classifica um sistema como conservativo ? Logicamente você iria responder que para ser classificado num sistema conservativo tem que conservar energia mecânica, mas vocês precisam saber que a conservação de energia mecânica é a consequência e não a causa do sistema conservativo.
Para que entendam melhor as causas e consequências de um sistema conservativo vamos ver a demonstração do teorema da conservação da energia mecânica.

-Teorema da conservação da energia mecânica
Recordando o teorema da energia mecânica temos T:ΔEm.Suponhamos uma situação em que o trabalho das forças  não conservativas sege nulo passamos a ter a seguinte situação: 0=Emf –Emi ou Emf = Emi.
A partir desta simples situação podemos ver que, a causa do sistema ser conservativos e o trabalho das forças não conservativas ser nulo, e a consequência é a conservação de energia mecânica.
Com esse exemplo já dá para perceber que no sistema conservativo podem atuar tanto o trabalho das forças conservativas como o trabalho das não conservativas basta que a segunda o trabalho total realizado seja nulo.






Agora é só pratica. Boa sorte!

                                                                               Por: Mariana Kalil

Fontes:
Portal positivo

LHL e o Bóson de Higgs


O LHL é o centro onde acontecem diversas tipos de experiências como, por exemplo, a tentativa de reproduzir o Big Bang, outros tipos de descobertas bem mais uteis em nosso cotidiano tem origem lá, como exemplo temos a invenção da internet que tornou a vida de todos os cidadãos bem mais fácil.
Neste mesmo centro na sala ou lado da tentativa de reproduzir o Big Bang foi descoberta uma nova partícula que parece ser o tal Bóson de Higgs, que foi o “observado”, se podemos dizer assim ,no século passado pelo físico Poter Higgs , essa descoberta fez com que o físico considerado o pai da partícula se emocionasse pela possibilidade de ter em fim seu teoria tida como verdadeira. 
 Mas como foi que ocorreu essa observação da partícula? Como o Bóson de Higgs é minúsculo e se juntar com os prótons muito rapidamente formando massa, não é possível observa-lo como partícula, mas podemos observar a energia liberada por tal.
Para isso ter acontecido foi preciso construir o maior acelerador de partícula de todos os tempos, nela foi liberado dois prótons em sentidos contrários que se chocaram e produziram diversas partículas entre elas o Bóson de Higgs. Para se comprovar que a partícula é verdadeiramente o Bóson os cientistas vão ter que fazer inúmeras experiências, mas se não for o Bóson é uma partícula bem semelhante independentemente será a maior descoberta do século XX.

                                               
           


                                                                                                           Por : Mariana Kalil

Fontes:

quarta-feira, 26 de setembro de 2012


Somos todos seres humanos, então porque os povos de cada nação são tão diferentes? Deveríamos ser semelhantes uns aos outros, não?
A dúvida acima foi uma “pulga atrás da minha orelha” por um bom tempo, diria ate tempo de mais, então um belo dia eis que um site muito interessante mim tira a duvida e proto a “pulga” se foi, e se foi tarde. Pensando nas pessoas, que assim como eu mim via incomoda com esta terrível “pulga” resolvi exterminá-la com o melhor remédio existente: informação e o melhor sem contra indicação, basta ler o conteúdo a baixo e será menos uma “pulga” na sua orelha.  
Cada região do planeta é diferente da outra, algumas semelhantes, mas nunca iguais, e isso foi o suficiente para fazer com que nos tivéssemos que nos adaptar, e ai esta a questão, a adaptação. Ela causa mutações que são genes cometendo erros e fazendo surgir novas características, essas novas características serão passada para as próximas gerações e assim por diante, tornando os indivíduo diferentes.
Um excelente exemplo é o da cor da pele, influenciada pela radiação. Em regiões em que a radiação é mais forte os genes da população se modificaram para produzir mais melanina e sobreviver melhor naquela região, a cada geração os indivíduos passam esse gene ate que se torna homogênea. Isso não é uma regra geral, caso você tenha a pele muito branca e vive em uma região altamente ensolarada, porque provavelmente a cor da sua pele se deva aos genes dos seus anteparados que também sofreram modificações.
No caso do Brasil ser uma mistura muito variada, acredite, nem sempre foi assim, lembre-se que os índios habitavam o Brasil e estes contêm características semelhantes, no entanto com a vinda de povos de diversas localidades ocorreu uma mescla com a população, essa mescla foi transmitida de geração para geração tornando o Brasil essa diversidade rica.
Portanto ao longo do tempo tivemos que nos adaptar e cada característica humana existem porque o ambiente influenciou para que fosse escolhida, dos orientais aos africanos, sendo que o porque de cada raça é única, mas no geral somos todos iguais, igualmente mutáveis e influenciáveis por a localidade em que vivemos.
          


Marinna Assis
Fonte:





terça-feira, 25 de setembro de 2012

Eletricidade nas nuvens



Numa nuvem de tempestade, o ar em movimento provoca atrito entre minúsculas gotas de água e partículas de gelo, fazendo com fiquem carregadas de eletricidade estática.

As partículas com carga positiva sobem para o topo da nuvem e partículas com carga negativa afundam para a parte de baixo das nuvens. As cargas negativas da nuvem são fortemente atraídas para o chão. Elas pulam de uma nuvem para outra, ou de uma nuvem para o chão, como clarões gigantes de relâmpagos.

O relâmpago deixa a ar quente, que ele explode com estrondos altos de trovão. Os relâmpagos frequentemente atingem o primeiro ponto que alcançam em sua viagem para o chão. Assim, é mais provável que edifícios altos sejam atingidos.

Se você olhar para as torres das igrejas ou os prédios altos, algumas vezes poderá ver uma barra de metal descendo ao lado do edifício. Trata-se de um pára-raios, que geralmente é feito de cobre. Se um relâmpago atinge a topo do prédio, a eletricidade corre pela barra de cobre até a chão, com segurança, em vez de danificar o prédio.

domingo, 23 de setembro de 2012

Energias dissipadas

Como já vimos na física Na lei da conservação da energia "Nada se perde, nada se cria, tudo se transforma",ou seja um corpo não pode produzir uma energia, não pode perder só tem a possibilidade de transformar ,mas pensando ainda nesse caso a energia se transforma em que?

Observe a imagem:

                                    


Nessa imagem vemos uma pessoa que faz algum tipo de atividade física nesse caso ocorre a dissipação do calor gerado a traves do movimento muscular ,transformação da energia cinética para térmica,se não ocorer essa dissipação do calor o atleta pode ter uma hipotermia.

Depois de ver esse exemplo podemos dizer que as energias dissipativas são responsáveis por qualquer sistema que haja energia transformada,seja cinética para térmica , gravitacional para elástica,ou qualquer que seja a modalidade trabalhada.

                                                                                                                    Por:Mariana Kalil

Fontes:
http://www.infoescola.com/fisica/sistemas-dissipativos-e-conservativos/


Bóson de Higgs


  Uma das maiores descobertas da física moderna foi o Bóson de Higgs, para conseguir captar essa partícula minúscula, ou melhor conseguir captar a energia liberada por essa partícula foi construída o maior acelerador de partículas na LHL, nele foi colocado dois prótons em sentidos opostos e na velocidade da luz que se colidiram e assim em milésimo de segundo foi possível captar a energia de tal partícula.
 Vocês devem estar se perguntando o porquê dessa partícula ser muito importante para a física, não é? A importância de tal partícula carinhosamente batizada de “Partícula de Deus” esta baseada simplesmente na descoberta de como após a explosão do Big Bang as moléculas se juntou formando as massa e não continuaram viajando a velocidade da luz.
O Bóson de Higgs como já havia dito anteriormente foi carinhosamente batizado como “Partícula de Deus”, isso se deve a dois fatores o primeiro é que um físico inglês resolveu escrever um livro sobre a teoria da partícula de Higgs e colocou o titulo do seu livro como A Partícula de Deus, a segunda é que como ela e a responsável pela formação do universo  e é onipresente como Deus ela recebeu essa denominação.
Foi muito difícil conseguir observar essa partícula tão importante para as leis da física moderna, não se tem certeza se a partícula observada é realmente o Bóson de Higgs ainda os cientistas precisam fazer inúmeras experiências para comprovar tal teoria, mas se a partícula encontrada não ser a partícula de Higgs será outra bem parecida, o que se sabe realmente e que ela encerará uma parte da história cientifica e dará entrada a outra.



                                                                                            Por: Mariana Kalil

sábado, 22 de setembro de 2012

Potência

Aqui estão alguns vídeos, que explicarão tudo direitinho para que você entenda melhor "Potência" .




Por : Letícia Oliveira

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Estamos próximos de um carro à prova de acidentes?



Engenheiros da empresa automobilística Volvo, na Suécia, prometem: na década de 2020, haverá um sistema anticolisões para veículos, apto a evitar qualquer morte por acidente de trânsito com o carro em questão.

A história moderna dos aparatos de segurança de automóveis ganhou seus últimos capítulos na segunda metade desse século, com a criação do cinto de segurança que trava em um clique. Depois disso, vieram air-bags, sistemas sofisticados de frenagem e complexos para-choques, mas as taxas de mortos e feridos nas estradas continuam alarmantes.

A cada ano, a média é de 1,3 milhões de mortos e 50 milhões de feridos por acidentes de trânsito no planeta. Especialistas afirmam que a maior parte das colisões (70% do total, segundo estimativas) têm “falha humana”: o condutor se distrai em algum ponto de uma longa viagem e comete uma imprudência. As novas tecnologias, portanto, combatem o problema pela raiz.

Os novos sistemas de proteção pretendem uma maior interação entre homem e máquina. O carro terá “olhos” atentos à estrada, para detectar situações de perigo, e também à atenção do motorista, que é avisado por sinal sonoro ou visual diante de uma ameaça na estrada, com a maior antecedência possível.

Incrementos adicionais estão sendo desenvolvidos para dar suporte a essa tecnologia. Entre eles, os cientistas projetam um sistema de controle automático da velocidade dentro dos limites adequados, além de monitorar constantemente a distância de outros veículos. Com isso, a movimentação das ruas e estradas seria “redesenhada” em nome da segurança.

As principais críticas a esses novos mecanismos estão ligados à comodidade. Alguns estudiosos afirmam que um motorista, cercado de tantos aparatos que fazem procedimentos de segurança por ele, tende a ficar mais relaxado, e não mais atento.

Nesta fronteira delicada, alguns defendem que o computador deva assumir completamente a direção dos veículos, criando um piloto automático e eliminando a necessidade de um motorista. Mas essa meta, além de ainda estar distante com a tecnologia atual, não deixa de causar controvérsia entre quem entende do assunto.

Por: Brena Êmilla

Fonte: http://hypescience.com/estamos-proximos-de-um-carro-a-prova-de-acidentes/

 “Conservação de energia”, calma, eu explico!  

 

O selo acima, PROCEL, estabelecido pelo INMETRO (Instituto de Pesos e Medida) é um velho conhecido nosso, muito comum em eletrodomésticos e o preferido das donas de casa, porque é sinal de que o aparelho a que pertence é eficiente ao realizar a conversão de energia elétrica em outra forma para o qual foi designado, e os com classificação "A" realizam trabalho ao menor custo, ou seja, conservam energia.  Bom, se sua cabeça esta a da voltas, com o “conservam energia” fique calmo, eu explico.
A conservação de energia pode ocorrer de variadas formas, elétrica, sonora, térmica..., sendo classificadas basicamente em: Potencial, Cinética e Mecânica, que interagem. Em um contesto geral, conservação de energia é quando uma energia é perdida em uma reação, ela é transformada em uma energia de outro tipo.  
Na pratica diária, quando segurados um copo a uma altura significativa do solo e se o mantivermos parado ele possuirá apenas energia potencial conferida a ele pelo seu peso e a força da gravidade. Se sem querer ou propositalmente o copo cair, á medida que a altura vai diminuindo com a queda ele perde energia potencial que vai se transformando em energia cinética. Nesse caso estamos tratando de energia mecânica, que é a soma da Energia Potencial com a Energia Cinética.  

A energia potencial é: a capacidade que um corpo tem de realizar um trabalho ou uma ação. Sua unidade é o joule (J), e está relacionada a um corpo em função da posição que ele ocupa, sendo divida em Potencial Gravitacional e Potencial Elástica.

Imagine uma pessoa que segura uma pedra de massa m a uma altura h do solo. Antes de ser solta, a pedra possuía uma energia armazenada, essa energia é denominada energia potencial gravitacional e pode ser medida através do trabalho realizado pela força peso. Sua formula é:
 
Agora imagine um bloco de massa m preso a uma mola de constante elástica k. Para deformar a mola é necessário realizar um trabalho, se o bloco for abandonado ele adquire energia cinética, no entanto enquanto estava preso ele possuía energia armazenada e essa energia armazenada é denominada energia potencial elástica, sendo sua formula:


A Energia Cinética é a energia que um corpo possui em virtude de ele estar em movimento e quanto maior a velocidade e a massa de um corpo maior será sua energia cinética.  A unidade de energia cinética é o joule (J) e sua formula é:

Portanto, a Conservação de Energia esta presente no nosso dia a dia e nem nos damos conta dela, para onde olharmos terá “algo” conservando energia, nos mesmos, a todo momento estamos conservando energia, ou seja, estamos transformando uma tipo de energia em outro tipo, ao nosso redor estamos cercados de aparelhos que fazem o mesmo. Sendo basicamente classificadas em: Potencial, Cinética e Mecânica. Então, aposto que sua cabeça parou de dar voltas! Nada de pânico, relaxe!  

  

Marinna Assis

Fontes:


quarta-feira, 19 de setembro de 2012

As maiores curiosidades da física que deveríamos saber.

- A velocidade da luz no vácuo é de exatamente 299.792,548km/s, usualmente arredondada para 300.000km/s.

- A luz gasta exatos 8 minutos e 17 segundos para sair do sol e chegar à Terra.

- A terra gira com velocidade de aproximadamente 1.600km/h e em sua órbita em volta do sol a mais de 107km/h.

- A taxa de raios que atingem a superfície da terra é de cerca de 100 por segundo.

- Anualmente 1000 pessoas são vítimas de raios.

- A idade da Terra é de 4,56 bilhões de anos, a mesma do Sol e da Lua.

- Uma pulga ao saltar tem aceleração vinte vezes maior que o lançamento de um ônibus espacial.

- A ausência de gravidade no espaço impede que um astronauta arrote.

- Galileu inventou, em 1607, o termômetro.

- O universo contém mais de 10 bilhões de galáxias.

- Cerca de um quatrilhão de neutrinos provenientes do Sol passaram através do seu corpo enquanto você lia esta frase.

- O Big-Bang que gerou o universo provoca interferências na sua TV até hoje.


Por : Letícia Oliveira

Fontes : http://fisicomaluco.com/wordpress/2008/02/11/as-maiores-curiosidades-da-fisica-que-deveriamos-saber/

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Por que a água apaga o fogo?

O fogo é um fenômeno que surge em reações químicas de combustão - quando uma substância, ao combinar com oxigênio, se transforma em outra, liberando energia na forma de calor e de luz (as chamas). Ele pode ser apagado resfriando o material incendiado, retirando o fornecimento de oxigênio ou interferindo nas reações químicas que ocorrem nas chamas. A água realiza duas dessas funções: sua conversão em vapor absorve o calor e o vapor substitui o ar nas proximidades da chama, cortando o suprimento de oxigênio.



No entanto, a água não apaga todos os tipos de fogo.

O fogo pode ser classificado em 3 classes distintas, que dependem da origem do incêndio. Estas classes são: A, B e C.

O fogo A é o único que pode ser usado com água, pois esta vai reagir com o processo de resfriamento. Esse fogo normalmente é originado em materiais sólidos como madeira, tecido, papéis...

O fogo classe B é o originado em combustíveis, tipo óleo, gasolina, querosene, álcool, etc. Esse, deve ser extinto por abafamento, normalmente utilizando o pó químico ou espuma química.


O fogo classe C é o ocorrido em equipamentos elétricos. A água ou qualquer equipamento que possua água não pode ser usado enquanto existir energia, pois a água se torna condutora de eletricidade. Então, deve ser usado o pó químico.


Por : Brenna Êmilla

Como funcionam as redes Wi-Fi?

A chamada rede Wi-Fi é uma rede sem fio (também chamada de wireless) na qual podemos ter acesso à internet apenas por sinal de ondas de rádio, assim como as televisões e os celulares, não sendo necessária a utilização de fios conectores.



Apesar de o termo Wi-Fi ser uma marca registrada pela Wi-Fi Alliance, a expressão hoje se tornou um sinônimo para a tecnologia que permite a conexão entre diversos dispositivos sem fio. Muito utilizado na atualidade, a origem do termo, diferente do que muito acreditam, não tem um significado específico.

As redes Wi-Fi funcionam por meio de ondas de rádio. Elas são transmitidas por meio de um adaptador, o chamado “roteador”, que recebe os sinais, decodifica e os emite a partir de uma antena. Para que um computador ou dispositivo tenha acesso a esses sinais, é preciso que ele esteja dentro um determinado raio de ação, conhecido como hotspot

As ondas de rádio são ondas eletromagnéticas (formadas pela combinação dos campos elétrico e magnético que se propagam no espaço perpendicularmente transportando energia) utilizadas pelas emissoras de rádio.

Basicamente, onde há sistemas que fazem uso de ondas de rádio, um circuito elétrico é o responsável por provocar a oscilação de elétrons na antena emissora. Estes elétrons são acelerados e, assim, emitem ondas de rádio, as quais transportam as informações até uma antena receptora.

As redes Wi-Fi, utilizadas para fornecer acesso sem fio à internet, operam de forma semelhante : um adaptador (sem fio) para computadores capta as informações e as traduz na forma de sinais de rádio, as quais são transmitidos com o auxílio de uma antena.




O roteador (também sem fio), cuja função é realizar a distribuição dos sinais da rede, além de "escolher" o melhor caminho para o envio de um conjunto de dados, é quem recebe o sinal e o decodifica. É ele quem envia as informações para a internet usando uma conexão (com fios), a Ethernet, responsável pela interconexão de redes locais.


O raio de ação de uma rede Wi-Fi é variável, depende do roteador e da antena utilizada. Essa distância pode variar de 100 metros, em ambientes internos, a até 300 metros, em ambientes externos. O mesmo tráfego de dados ocorre no sentido oposto estabelecendo, assim, a comunicação entre os dispositivos.

Amplamente difundido no mercado, o Wi-Fi hoje busca novos padrões de forma a alcançar velocidades cada vez mais altas na transferência de dados. O Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos trabalha em um novo padrão que permitiria o envio de dados a velocidades de até 22 Mbps, atingindo distâncias de até 100 quilômetros.

Por :  Letícia Oliveira

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Razões científicas para as estações do ano




estações do ano

As estações do ano têm uma influência forte nas nossas vidas: elas afetam nossas atividades, nossa alimentação, as roupas, e até o nosso humor. No dia 21 de junho passamos por mais uma mudança: o inverno começou no hemisfério sul, e o verão começa no hemisfério norte. Mas o que causa a mudança das estações?

Antigamente, a capacidade de prever as estações de acordo com os pontos do sol durante o ano era uma peça-chave para a sobrevivência. As culturas babilônicas, maias e várias outras desenvolveram complexos sistemas para monitorar as mudanças sazonais. Mesmo assim, demorou séculos para descobrirmos a ciência por trás das estações. Nicolau Copérnico (1473-1543) mudou radicalmente os conhecimentos da astronomia quando sugeriu que o sol, e não a Terra, era o centro do sistema solar. Isso levou a uma nova noção sobre o relacionamento entre a Terra e o sol.

Agora sabemos que a Terra tem uma órbita elíptica e gira em um eixo sobre si mesma, com diferentes graus de inclinação. Isso faz com que diferentes hemisférios sejam expostos a diferentes quantidades de sol durante o ano. Como o sol é nossa fonte de luz, energia e calor, a diferença na intensidade e concentração dos raios faz com que ocorram o inverno, a primavera, o verão e o outono.

Solstício e equinócio

As estações são marcadas por solstícios e equinócios – termos astronômicos que tratam da inclinação da Terra em relação ao sol. Os solstícios marcam o momento em que os pólos estão inclinados ao máximo, um ficando muito próximo e o outro muito longe da luz do sol. É durante o solstício que a diferença de duração entre o dia e a noite é maior. Os solstícios acontecem todo ano no dia 20 ou 21 de junho e 21 ou 22 de dezembro, marcando o começo do inverno e do verão. Este ano o solstício de junho aconteceu exatamente às 3:45 (horário de Brasília) do dia 21.

O equinócio vernal e outonal marcam o começo da primavera e do outono, respectivamente. Nessa época do ano o sol aparece diretamente sobre a Linha do Equador, e a duração do dia e noite são praticamente iguais em todo o planeta. No dia 20 ou 21 de março de todo ano o hemisfério sul começa a sentir o frio, enquanto o equinócio outonal ocorre, e no hemisfério norte acontece o começo da primavera.

O outro equinócio acontece no dia 22 ou 23 de setembro, quando o friozinho do inverno começa a dar lugar ao calor no hemisfério sul e o frio começa a se instalar no norte. Todos os anos existe alguma variação na data do equinócio e do solstício, devido às mudanças de inclinação da Terra.

Efeitos no clima

As mudanças de estação afetam o clima porque, enquanto durante o solstício de junho o pólo norte está virado em direção ao sol e o hemisfério norte está começando a sentir o verão, a densidade dos raios solares é maior, pois estão mais concentrados em uma superfície menor. Os dias também se tornam mais longos, o que faz com que mais radiação seja absorvida no norte – e o pólo fica mais próximo ao sol, o que faz com que a radiação viaje menos até chegar à Terra.

Ao mesmo tempo em que tudo isso acontece, o pólo sul está inclinado para longe do sol, e o hemisfério sul começa a sentir o frio do inverno. Os raios do sol têm que se espalhar por uma área maior e devem viajar mais dentro da atmosfera até atingir o hemisfério sul. Os dias também são mais curtos, fazendo com que o local receba ainda menos raios de sol. Essa situação muda em dezembro, quando os climas dos hemisférios trocam de posição.

Embora o solstício represente o auge do verão ou do inverno em relação aos raios do sol, isso não significa que seja o dia mais quente ou mais frio do ano. Isso porque a temperatura depende não apenas da quantidade de calor que a atmosfera recebe, mas também do calor que é perdido na absorção do calor na terra e no oceano. Somente quando o solo e os oceanos absorveram calor bastante para atingir um equilíbrio com a temperatura externa que temos os dias mais frios ou mais quentes do ano.

Por: Brena Êmilla

Fonte: http://hypescience.com/razoes-cientificas-para-as-estacoes-do-ano/







quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Aulas de jubilut


Aulas com Jubilut



 Se com ele você não aprender ,horar viu ,mas hora muito.


                                                          Por:Mariana Kalil

teorema da energia mecânica




As energias cineticas e potenciais são dependentes de fatores diferentes ,a 1ª é quando o corpo esta em movimento enquanto o 2ª é quando o corpo tem a possui a possubilidade de passar a ter movimento,isso não indica que em um mesmo corpo não pode ter as duas energias ,pois a teoria da energia mecanica é a responsavel pela soma dessas energias em um mesmo corpo.
Ela é calculada na seguinte espressão:
                                                             Em: Ep + Ec
Conforme ja foi abordado existe dois tipos de energia as conservativas e as não conservativas .

O trabalho das não conservativas é calculada pela seguinte expressão:
                                                    Epi - Epf
Enquanto  o trabalho das não conservativas:
                                                Emf - Emi
Com isso chegamos a conclusão de que o trabalho das forças não conservativas que atuam sobre um corpo é igual a variação de sua enegia cinética.




                                                     
                                                                         Por:Mariana Kalil

Fontes:

Teorema da energia potêncial


              

 Como qualquer outro teorema a energia possui sua demostração matematica que tem que ser espressa.
Um corpo pode simplismente sair do ponto A e ir para o B, mas tem a possibilidade de sair do ponto A e ir para o ponto de  referencia ,e do ponto de referencia ir para o ponto B.N esse segundo caso o trabalho é somadado pela seguinte equação:

                                                                    Ta-b: Ta-pr + Tpr-b
Considerando que o ponto A e B ,são respectivamente o ponto de chegada e partipa  a equação pode ser escrita dessa maneira :
                                                                     T a-b:  Epi - Epf

Ou  seja o trabalho das forças conservativas aplicadas em um corpo é igual à variação de sua energia potencial com sinal invertido.

Assista o vídeo a seguir:




                                                                                                                 Por: Mariana kalil


Fontes:
http://www.coladaweb.com/fisica/mecanica/energia-cinetica-potencial-e-mecanica